Folha do Comércio

Destaques:
Você está aqui: Cultura

Fabiana Schimitz lança Perfis no Zélia Olguin

IPATINGA – Um vendedor de sorvetes que já leu mais de mil obras literárias e um congadeiro e sanfoneiro, que jamais teve uma sanfona, são personagens de Perfis, livro que a jornalista Fabiana Schimitz(FOT0)lança, às 19h30  na sexta-feira (20), no Teatro Zélia Olguin.

A obra é uma compilação de reportagens sobre moradores do Vale do Aço publicadas entre 2005 e 2007 na sessão Perfil, do Diário do Aço. “O livro é o retrato de pessoas comuns que revelaram suas lutas, anseios, angústias e conquistas, por meio de narrativas deliciosas, que nos levam a viajar pelo universo delas”, define a autora.

Fabiana destaca ainda que Perfis é uma forma justa de apresentar à região como cada um desses anônimos contribui para a construção da história do Vale do Aço. “Seja no aspecto econômico, cultural, artístico, todos os entrevistados que comparecem no livro têm a sua importância na formação da identidade local”.

Perfis é uma produção independente. Para viabilizar sua publicação, Fabiana promoveu campanhas nas redes sociais e em um site de financiamento coletivo. “Muitas pessoas, de boa vontade, se uniram em torno desse meu trabalho e contribuíram para a realização do meu sonho de deixar um legado para o Vale do Aço. São amigos que abraçaram a causa que hoje entra em cena como projeto realizado”.

Os interessados em participar do evento, que tem entrada franca, devem confirmar sua presença pelo telefone (31) 9.8829-9591 ou retirar seu ingresso na bilheteria do Teatro Zélia Olguin.



“Concertos para Bebês Brasil” estreia nesse fim de semana

O Teatro Francisco Nunes, em Belo Horizonte, recebe a partir desse sábado, dia 14 de outubro, a 1ª temporada do espetáculo Concertos para Bebês Brasil, que tem roteiro e direção de Cássio Pinheiro, com arranjos musicais do multi-instrumentista André Durval. Voltando aos palcos de espetáculos para crianças após anos em cartaz com “Peter Pan” e “Tistu, o Menino do Dedo Verde”, sucessos de público e crítica, o diretor agora experimenta-se com uma proposta direcionada especialmente para a primeira infância.

No espetáculo “Concertos para Bebês Brasil”, a criança em sua primeira infância terá oportunidade de vivenciar os sons do cotidiano e da natureza por meios dos instrumentos musicais, das sonoridades graves, médias e agudas, além das sombras e luzes definindo e redefinindo volumes, formas e profundidade.

Inspirado no espetáculo português Concertos para Bebês, de Paulo Lameiro, a montagem brasileira proporciona o diálogo artístico com essas crianças e se propõe a fazê-lo com seus acompanhantes adultos, pois, ao estarem fisicamente próximos dos bebês, certamente influenciarão no seu envolvimento com o espetáculo.

Segundo o diretor Cássio Pinheiro, a estrutura cênica que convida o público para o palco, para a área cênica, quebra a divisão entre o artista e o expectador. “Nos dias de hoje temos dedicado às nossas crianças, desde seus primeiros contatos com o mundo real, sons e imagens high-tech, em um período da vida da criança no qual não há domínio da fala. Imagens e sons distanciados vindo de caixas pretas e telas mágicas. Assim apresentamos a elas outra realidade. Propomos um espetáculo lúdico sustentado pelas sonoridades acústicas dos instrumentos musicais e o corpo dos artistas, somados a imagens produzidas com luzes e sombras”, afirma.

O repertório musical é composto por composições brasileiras desde o século XVIII como Lição de Solfejo XXIII, de Luiz Alvares Pinto, aos dias de hoje, passando pelo cancioneiro popular e as cantigas de roda, dando destaque à riqueza e diversidade musical produzida no Brasil.

Concertos para Bebês Brasil será apresentado às 11 horas. Os ingressos custam R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia) se adquiridos na bilheteria. Toda criança paga meia entrada. Nos postos do Sinparc, os ingressos estão à venda por R$ 30,00 + taxas. Estão no elenco: Ana Roberta Rezende, Gabriel Estanislau, Gerson Marques, Julia Borges, Kelly Ferreira, Leandro Skald e Luiz Gomide. A produção é de Iris Prates e os figurinos são de Fabi Senra.

SERVIÇO

Teatro Francisco Nunes (3277-6325)

Dia 14 e 15

11 horas

Ingressos: R$ 70 (inteira) |R$ 35 meia (a venda na bilheteria) | Sinparc: R$ 30

Direção / Roteiro: Cássio Pinheiro

Direção Musical: André Durval

Elenco

Ana Roberta Rezende – Flauta Tranversal, Flautas Doce e Canto

Gabriel Estanislau – Palhaço, Contrabaixo Acústico e Canto

Gerson Marques – Viola Caipira, Cavaquinho e Canto

Julia Borges – Atriz, Percussão e Canto

Kelly Ferreira – Acordeon e Canto

Leandro Skald – Flauta Tranversal, Saxofone e Canto

Luiz Gomide – Ator, Percussão e Canto

ADEREÇOS: Felício Alves e Paulo Viana

FIGURINOS: Fabi Senra

ILUMINAÇÃO: Cássio Pinheiro

FOTOGRAFIA: Kika Antunes

VÍDEOS: Sandro Azevedo e Duo Filmes

PRODUÇÃO: Iris Prates

DESIGN GRÁFICO: Jonh Paulo e Mariana França

 

Instituto Cultural Usiminas lança programa Eu Dou Valor

Comunidade poderá doar até 6% do Imposto de Renda e contribuir para ampliar as ações do Instituto nas comunidades

Você sabia que parte do seu Imposto de Renda pode fazer a diferença na vida de milhares de pessoas? Pessoas físicas também podem ser patrocinadoras de projetos culturais aprovados pelo Ministério da Cultura e contribuir diretamente para a realização de ações transformadoras na comunidade. Para ampliar ainda mais o alcance de suas atividades, o Instituto Cultural Usiminas lança o programa “Eu Dou Valor”, que receberá incentivo de pessoas físicas via imposto de renda e contribuição direta.

Com 23 anos de atuação, o Instituto Cultural Usiminas leva desenvolvimento sociocultural para milhares de pessoas em várias cidades do país, por meio de projetos nas áreas da cultura, esporte e desenvolvimento social. O programa “Eu Dou Valor” contribui para a continuidade desses projetos que oferecem, de forma democrática, o acesso à arte, cultura e educação e movimenta uma grande cadeia da economia onde as ações são realizadas.

A doação se reverte em apresentações de espetáculos gratuitos para famílias e escolas; cursos e oficinas para capacitação de professores e arte-educadores; profissionalização de grupos artísticos; movimentação da economia e geração de emprego e renda para artistas, profissionais liberais, comércio e serviços em geral; estímulo ao turismo cultural e de eventos e uma programação permanente e de qualidade para o Centro Cultural Usiminas e Teatro Zélia Olguin, em Ipatinga (MG).

A diretora do Instituto Cultural Usiminas, Penélope Portugal, reforça a importância da participação da comunidade no programa “Eu Dou Valor” como forma de contribuir para o desenvolvimento social de milhares de pessoas. “As doações vão ampliar o trabalho sociocultural já realizado pelo Instituto em comunidades de várias partes do Brasil. O Programa dá às pessoas a liberdade de escolher para onde será encaminhado parte do seu imposto e a possibilidade de acompanhar a aplicação do recurso de maneira transparente”, frisa.

Para participar, os interessados devem acessar www.eudouvalor.com.br. No site é possível conhecer mais sobre o programa, tirar dúvidas, fazer uma simulação e realizar a doação.

 

Em cartaz no Centro Cultural Usiminas a 17ª edição do Festival da Criança

Grupos de teatro do Vale do Aço e Belo Horizonte se se revezam no palco do Centro Cultural Usiminas e foyer, para receber cerca de 5.300 crianças, já agendadas para as oito apresentações que acontecem durante esta semana, dentro da programação da 17ª edição do Festival da Criança. Cerca de 32 escolas, vindas de Timóteo, Coronel Fabriciano, Santana do Paraíso, Tarumirim e Ipatinga estarão presentes nos espetáculos que acontecem na parte da manhã e tarde.E o primeiro espetáculo a receber a criançada é A Máquina do Tempo, do Coletivo 7, de Ipatinga.

Uma trupe de artistas mambembes viajam em seu mágico carroção, para apresentar o espetáculo que conta a história de três cientistas malucos que inventam uma máquina do tempo, para voltar ao passado e impedir um incêndio que devastou em uma reserva florestal. De forma lúdica e divertida a peça apresenta os sérios problemas causados por um incêndio e a importância de preservarmos o meio ambiente.

A Máquina do Tempo é uma adaptação para o palco do espetáculo no passado, presente ou no futuro: incêndio não é legal, que vem circulando por 10 cidades da região, dentro do projeto Ambiente e Arte da Cenibra. Serão três apresentações, segunda dia 02 de outubro, às 14h30 e terça, 03 de outubro às 9h e 14h30. No elenco Didi Peres, Bárbara Pavione, Leo Coessens e Roberto Yokel, com direção e dramaturgia de Claudinei de Souza e cenotécnica de Robson Firmino.Na quarta-feira, 04 de outubro, às 9h, no foyer do teatro, Flora Manga apresenta uma adaptação bem brasileira do clássico Alfaiate Valente dos Irmãos Grimm. A história acontece numa vila do sertão de Minas Gerais. Lá um pequeno alfaiate, ao tentar proteger sua geléia de goiaba, acaba por matar sete moscas com apenas um golpe. Achando isso um feito incrível, decide sair pelo mundo com uma faixa escrito "Matei sete de uma vez". O que ele não podia imaginar é que essa brincadeira iria colocá-lo nas mais perigosas enrascadas, pois o Coronel da cidade resolve contratá-lo como jagunço.

O premiado espetáculo infantil da Cia. Canguru Teatro de Bonecos, de Belo Horizonte, Mania de Explicação, baseado no também premiado livro de Adriana Falcão, encerra as apresentações da semana com quatro apresentações. A primeira na quarta-feira, dia 04, às 14h30 e as outras na quinta-feira, dia 05, às 08h, 9h30 e 14h30.

Wanda Sgarbi, diretora de arte e produtora do espetáculo, destaca que a montagem teve como proposta o trabalho de Teatro de Animação de bonecos em diferentes técnicas, a projeção de vídeo de animação e a manipulação de sombras e silhuetas. A peça fala de uma garotinha que busca explicações para várias palavras que são  apresentadas de uma forma especialmente poética e lúdica, encantando espectadores de todas as idades. Um texto diferente que propõe uma reflexão profunda sobre o cotidiano e que, além de provocar a reflexão, encanta a adultos e crianças, declara Wanda. De acordo com a diretora, a proposta de transformar esse texto em uma peça de teatro fugiu do lugar comum das produções infantis onde predominam os clássicos contos de fadas.

E durante toda a semana a criançada será recebida no foyer do teatro por Luís

Yuner e seu incrível Homem Banda, que desperta muita curiosidade ao tocar sozinho e ao mesmo tempo, seus vários instrumentos. A performance permeia o universo da musica inserida na tradição circense, homenageando dobrados, cirandas e cantigas de roda que embalam números clássicos do circo.

O Festival da Criança é patrocinado pela Usiminas e conta com apoio do Usicultura, Panorama Tower Hotel, Ecomov e Associação Cultural Zélia Olguin. O incentivo é do Governo de Minas Gerais, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. A realização é de Marilda Lyra. A entrada para as apresentações desta semana é franca, mediante agendamento escolar.



Perfis tem pré-vendas no Avesso

A jornalista Fabiana Schimitz promove, no  sábado,16, no Avesso Pub, a pré-venda do seu livro, Perfis, que deve ter lançamento oficial até o próximo mês. O evento tem como objetivo reunir amigos interessados em adquirir um vale-livro da obra.

Perfis é uma compilação de reportagens sobre pessoas que saíram do anonimato após conceder entrevista ao jornal Diário do Aço. As matérias foram publicadas na sessão do impresso chamada Perfil entre 2005 e 2007.

“São personagens fascinantes, como artistas, inventores, pioneiros e escritores que falam de seu cotidiano, permeado de sentimentos universais, como amor, paixão, alegria, angústia. Perfis é a representação de parte da história do Vale do Aço, contada por pessoas que tecem o cotidiano, mas nem sempre recebem o merecido reconhecimento”, comenta Fabiana Schimitz.

A escritora adianta que o pré-lançamento contará com a participação do músico Sóstenes Araújo.

FINANCIAMENTO

Perfis é uma produção independente viabilizada graças a campanhas nas redes sociais e em um site de financiamento coletivo, além do apoio de instituições e empresas da região. Segundo destaca Fabiana Schimitz, o movimento para arrecadação de recursos continua na internet. “Estamos na reta finado do projeto, e todo apoio é bem-vindo. Interessados em participar da campanha podem acessar a fanpage facebook.com.br/perfis.fabiana.schimitz ou acessar o site www.vakinha.com.br/vaquinha/publicacao-livro- perfis e fazer sua doação”, explica a autora.

SERVIÇO

Pré-vendas do livro Perfis, de Fabiana Schimitz, com a participação do músico Sóstenes Araújo. Dia 16 de setembro, de 20h às 23h55, no Avesso Pub, no Centro Comercial do Cariru.

Exposição Olhares Diversos

Na noite desta quinta-feira,10, às 20h, a Fundação Aperam Acesita recebe  Olhares Diversos, exposição coletiva de artistas do Vale do Aço e região. Na oportunidade, o público poderá conferir o que está sendo produzido no campo das artes plásticas, com diversos temas e técnicas. Ao todo, 30 artistas exibirão seus trabalho, totalizando 70 obras.

Para a coordenadora de projetos da Fundação Aperam Acesita, Kelly Soares, é um privilégio para a Fundação reunir artistas do Vale do Aço em seu espaço, que sempre foi dedicado à cultura, às artes em todas as suas formas de manifestações. “Nosso foco é sempre manter vivos os movimentos culturais da região, valorizá-los. Iniciativas como essa têm muito a ver com a nossa missão de facilitar o acesso a cultura a toda população”, disse.

A exposição ficará aberta ao público até o dia 30 de setembro, na Fundação Aperam Acesita, de segunda a sexta, de 8h30 às12h e de 13h30 às 17h. A entrada é gratuita.

Seresta na praça

E pra quem gosta de relembrar os velhos tempos e curtir uma boa música, nesta sexta-feira (11) às 20h, na praça do Olaria, o grupo de seresta Grãos de Sonhos se apresenta com um repertório repleto de canções populares. A atração integra as atividades do projeto Andanças, que tem como parceiros a Fundação Aperam Acesita, Prefeitura de Timóteo e a Associação dos Aposentados e Pensionistas de Timóteo.

 

Pintor expõe obras em 3D no hall da PMI

Com talento diferenciado e praticando uma técnica bastante rara, Marcílio Caldeira(FOTO), pintor profissional há mais de 39 anos, tem chamado muito a atenção do público com a exposição que realiza no hall de entrada da Prefeitura de Ipatinga, há uma semana.

Natural de Belo Horizonte, o artista mora em Ipatinga há dez anos e costuma expor suas obras no Centro da cidade e no bairro Horto.

De acordo com Marcílio, as primeiras obras do gênero que produzia eram feitas em cartolina e papelão. Percebendo a boa receptividade do estilo, com o passar dos anos ele foi aprimorando sua técnica e começou a usar Eucatex, valorizando ainda mais as paisagens, o principal foco de suas pinturas. Hoje o trabalho alcançou um nível especial de qualidade e, além das telas, o artista conta que às vezes produz as imagens diretamente nas paredes dos clientes.

O expositor explica que as pinturas são realizadas em alto relevo, o que as faz adquirir uma impressão 3D.

E por que ele pinta apenas paisagens? Marcílio responde: “Eu penso muito na biodiversidade e assim advogo por meio de minha arte a defesa da natureza que o homem tanto destrói”.

Interessados em conhecer mais o trabalho do Marcílio Caldeira podem apreciá-lo na Prefeitura de Ipatinga até a próxima sexta-feira,11, ou entrar em contato com ele pelo telefone 99537-1564.

Usiminas encerra mês de férias das crianças com visitas à empresa

Férias costuma ser sinônimo de passeios, novidades e coisas legais. Para uma criançada de 8 a 12 anos, a descoberta na última semana do mês de julho foi a de um universo de personagens, máquinas, transformações e heróis, com o projeto Férias na Usiminas. Durante quatro dias, entre turmas de manhã e a tarde, 116 filhos de colaboradores visitaram as áreas de produção da Usina de Ipatinga e da Usiminas Mecânica, na companhia da contadora de histórias Flora Manga, personagem interpretada pela atriz Raquel Vieira.

No passeio de ônibus e na visita por algumas áreas, ela mostrou às crianças a incrível jornada do carvão e do minério, que, juntos, passaram por uma longa trajetória na Usina até se fundirem em só um herói, o aço Usiminas. Já na Mecânica, a aventura foi para descobrir as possibilidades em que o nosso herói pode se transformar, seja na terra – como a fabricação de vagões de trem; no ar – como as pontes; ou no mar, como as estacas-torpedo, grandes estruturas que servem de ancoragem para os navios-plataformas da Petrobras em alto mar.

O Ruan Rodrigues, de 9 anos, achou divertido conhecer a história da empresa e o local onde a mãe, a engenheira de Controle de Qualidade, Adriana Rodriguez trabalha. “Eu não sabia que ela foi fundada desse jeito e também não sabia dos componentes do aço. Vou lembrar, fica marcado.”

A aventura ficará guardada também na memória da Maria Clara Sousa, de 8 anos. “Eu vi quando passa pela fornalha e todo o caminho para se chegar até o aço. Sem o aço, a gente não consegue viver, porque ele tá na geladeira, no fogão, no carro. Ficar sem geladeira é ruim, a gente só ia beber água quente”, conta a filha do líder de produção Fernando Sousa.Já a Bianca Boy gostou da iniciativa do pai, Sherlon Ferreira, programador de produção, assim que soube que tinha sido inscrita no projeto. “Achei legal, eu sempre quis participar. Sou curiosa e gosto de história, de saber como as coisas funcionam, de como são fabricadas. Eu recomendo vir,porque tem várias atividades, a parte da história contada de um jeito diferente, o que ajuda a entender melhor. É bem melhor sair nas férias para ver coisas legais do que ficar em casa.”

 

Obras de ‘aço’ e arte

 

Em Ipatinga, o projeto Férias na Usiminas foi realizado com o apoio do Instituto Cultural Usiminas, e contou ainda com lanche e oficinas de pintura. Nela, os meninos e meninas tiveram a oportunidade de produzir com as próprias mãos uma lembrança sobre o que viram na visita, com tintas feitas a partir de agregado siderúrgico, gerado da produção de aço na Usina. Um trabalho desenvolvido e ministrado pela pintora Rosane Dias.Aliás, foi por acaso, ao passar próximo à oficina de pintura na Usiminas Mecânica que o técnico em processos Sérgio Damásio Florentino se emocionou, ao encontrar a filha Nicole, de 11 anos. “O olho dela ficou brilhando quando soube que viria participar desse dia aqui na empresa. Mostrei uma foto das estacas-torpedo e ela me perguntou: ‘Papai, vocês fabricam mísseis?’. E agora mesmo já começou a me contar aqui que viu uma panela de gusa e as estacas. Fez-me recordar um pouquinho da minha infância, quando fui visitar o trabalho do meu pai pela primeira vez. Achei a iniciativa excelente, porque desperta a curiosidade deles ao conhecer a transformação da matéria-prima, que é o aço, em equipamentos. É magnífico.”

Para além do Vale do Aço, o Férias na Usiminas também foi realizado no mês de julho em Belo Horizonte, com dependentes de colaboradores da Sede da companhia, em Itatiaiuçu, com a visita das crianças à Mineração Usiminas, e na Usina de Cubatão, em São Paulo.

As visitas à Usina de Ipatinga também estão disponíveis para escolas da região do Vale do Aço, por meio do “Conhecendo a Usiminas”. A programação é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelo telefone 3824-3731.